Cartão de saúde e benefícios sociais é contemplado em edital da Fapitec

Principal objetivo é ser referência de mercado como melhor, mais completo e inovador cartão da modalidade no Brasil

A promoção de saúde e inclusão social a preços justos é o foco de um dos projetos apoiados pelo Governo de Sergipe, por meio da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado (Fapitec/SE). Trata-se do Cartão ComVida, que visa fornecer serviços e benefícios com excelente atendimento a seus usuários. A proposta é mais uma das contempladas pelo Programa Centelha, edital gerenciado pela Fapitec.

O Cartão ComVida oferece aos associados valores bem abaixo do mercado, através de parcerias com clínicas, utilizando-se da disponibilidade de horários e profissionais para oferecer benefícios em consultas e exames médicos, atendimento veterinário, psicólogo e nutricionistas.Também integram a proposta o clube de descontos, auxílio funeral, seguro de vida e cesta básica, entre outras vantagens. Segundo os responsáveis pelo projeto, os sócios Luís Eduardo Fraga e Fábio Anjos, a proposta partiu de uma visão sobre a necessidade de acesso à saúde pela população de baixa renda.

O projeto segue em andamento, com previsão de funcionamento apenas no estado de Sergipe em seu momento inicial de operação. Para a equipe responsável, o início dos atendimentos vem sendo aguardado com otimismo. “Nossa proposta é de atender todo o território nacional, com rede física nos grandes polos. Também atenderemos virtualmente, por meio da telemedicina”, afirma Luís Eduardo.

Ainda segundo o coordenador, o projeto prevê uma possível integração entre as áreas de saúde e bancária. “É provável que, no futuro, o convênio com instituições bancárias permita o parcelamento ou financiamento dos procedimentos e exames de valores relevantes, na condição de concessão de crédito ou consórcio”, explica.

Programa Centelha

O Programa Centelha visa estimular o empreendedorismo inovador para o desenvolvimento de produtos (bens e/ou serviços) e a geração de empresas de base tecnológica, a partir da transformação de ideias inovadoras em empreendimentos que incorporem novas tecnologias aos setores econômicos estratégicos do estado de Sergipe.

O edital conta com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT/FINEP) e contrapartida do Fundo Estadual para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNTEC). Através do programa, que já contemplou mais de 20 empresas no estado, foi destinado R$ 1,2 milhão em incentivos. O mesmo montante será reservado à segunda edição do programa, cujo lançamento está previsto ainda para o mês de outubro.

Governo lança edital para financiamento de projetos de pesquisadores que atuem no desenvolvimento de políticas educacionais

Parceria entre a Seduc e Fapitec investirá mais R$ 1,1 milhão para a concretização dos projetos. Ao todo, nos três editais abertos o Governo soma um investimento de mais de R$ 2.357.200,00

O Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc) e da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (Fapitec), lançou nesta terça-feira, 21, o edital Fapitec/Seduc 09/2021 para financiar projetos no âmbito do Programa de Apoio a Núcleos de Estudos Avançados em Políticas Educacionais no Estado de Sergipe. 

O objetivo é apoiar atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, por meio da seleção de projetos de grupos emergentes de pesquisa que atuem em ações para o desenvolvimento de políticas educacionais de gestão das unidades e sistemas de ensino da educação básica. 

Poderão participar pesquisadores doutores que tenham vínculo empregatício permanente com instituições científicas e tecnológicas em Sergipe, como instituições de ensino superior públicas ou privadas, institutos e centros de pesquisa e desenvolvimento, ou empresas que executam atividades de pesquisa em Ciência, Tecnologia ou Inovação. O proponente será o coordenador do projeto.

O professor José Ricardo de Santana, superintendente executivo da Seduc, destaca que esse edital é importante porque traz demandas, não para pesquisadores individuais, mas para grupos de pesquisa. Ele ressalta que essa ação prevê o avanço em relação a projetos de mestrado e de pós-doutorado, cujos pesquisadores são chamados a integrar as equipes. Além disso, o superintendente explica que a instituição de ensino superior que esteja apresentando proposta no edital será mais bem pontuada se tiver articulação com outras instituições de fora do estado que já atuam também na temática educação.

“A gente espera consolidar esse interesse das instituições, dos grupos de pesquisa aqui do estado em diversas áreas do conhecimento, desde engenharias, área de gestão, área de humanas, área pedagógica, entre outras, chamando esses grupos para fazerem pesquisas no ramo de educação. A gente espera, com isso, contratar boas propostas que sejam executadas ao longo dos próximos dois anos”, afirmou.

A coordenadora executiva de Apoio e Desenvolvimento de Programas (Proaf/Fapitec), Flávia Angélica Santos, ressalta que “esse é um edital muito importante, já que, por meio das pesquisas desenvolvidas, será possível agregar ações de pesquisa e extensão desenvolvidas por núcleos de pesquisa emergentes, além de possibilitar e expandir o conhecimento científico produzido em benefício do sistema educacional do Estado de Sergipe”.

Financiamento dos projetos

O edital prevê o financiamento de, pelo menos, cinco núcleos totalizando um valor global estimado em R$ 1.110.000,00, com recursos exclusivos da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc), os quais serão liberados em até duas parcelas. Cada projeto receberá o valor máximo de R$ 30 mil de auxílio financeiro para despesas. O participante poderá, desde que devidamente justificado, contratar bolsistas de acordo com as seguintes modalidades: bolsa de iniciação científica (até quatro bolsas por 12 meses); bolsa de mestrado (até duas bolsas por 24 meses); e bolsa de pós-doutorado (uma bolsa por 24 meses).

Os recursos poderão ser destinados para o financiamento de despesas com material de consumo, serviços de terceiros (Pessoa Jurídica), despesas acessórias, passagens e diárias, material de divulgação, entre outros diversos itens, que podem ser conferidos no edital.

As propostas apoiadas por esse edital deverão ser executadas em, no máximo, 30 meses. Excepcionalmente, e mediante apresentação de justificativa, os projetos poderão ser prorrogados por 12 meses.

Envio das propostas

As propostas deverão ser encaminhadas à Fapitec via e-Doc, por meio do link: https://www.edocsergipe.se.gov.br/protocolo-externo/, até às 23h do dia 8 de novembro. A proposta finalizada com todos os anexos preenchidos deverá ser anexada, exclusivamente no formato PDF, com tamanho máximo de 20 Mb. Se houver necessidade, o proponente poderá submeter mais de um arquivo, porém deverá identificar que se trata de um complemento à proposta enviada.

Para a submissão da proposta eletrônica, o coordenador deverá também enviar a seguinte documentação: formulário para Projetos de Pesquisa preenchido; comprovante de vínculo empregatício com a instituição onde será desenvolvido o projeto; declaração de que não participa de qualquer outra proposta em edital similar; documento da página do Grupo de Pesquisa, cadastrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq no qual o coordenador está inserido; cartas de anuência dos membros do Núcleo Emergente do projeto quanto à sua participação; carta de anuência da instituição executora comprometendo-se com a contrapartida oferecida e com a infraestrutura; comprovação de submissão ao Conselho de Ética da instituição para projetos que envolvam seres humanos, com o devido registro de recebimento pelo respectivo Comitê; e cópia do título de doutor (no caso de título obtido no exterior, deverá ser revalidado no Brasil por instituição de ensino credenciada para tal).

Temas

Os projetos deverão atender, preferencialmente, a um dos seguintes temas de interesse: avaliação de políticas educacionais baseadas em evidência; planejamento e execução de programas com foco em indicadores de qualidade; análise e proposição de alternativas para o financiamento e execução orçamentária das ações em educação; análise e desenvolvimento de soluções em logística de transporte e alimentação escolar; análise e proposição de reordenamento da rede pública estadual; modelos de demanda e oferta de educação profissional e técnica; modelos integrados de gestão e desenvolvimento de pessoas; modelo de convivência e cultura de paz; uso de tecnologias digitais em ações pedagógicas e gestão educacional.

As propostas serão selecionadas em duas etapas. A primeira será a análise pela área técnica da Fapitec, e a segunda a análise e priorização pela Comissão Integrada para Acompanhamento de Projetos Educacionais (CIAPE) dos Projetos da Seduc. A relação das propostas aprovadas será divulgada no dia 30 de novembro, no portal da Fapitec (www.fapitec.se.gov.br). A contratação dos projetos será realizada no dia 14 de dezembro, na modalidade de auxílio individual ao pesquisador.

Investimentos em pesquisas e projetos científicos

Com esse edital, já chegam a R$ 2.357.200,00 os investimentos do Governo de Sergipe em pesquisas e projetos científicos, por meio da parceria entre a Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc) e da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (Fapitec). Além do valor de R$ 1.110.000,00 que será liberado para a realização deste edital Fapitec 09/2021, serão investidos também R$ 300 mil por meio do edital Fapitec/Seduc 07/2021, que implementam o “Programa de Apoio a Olimpíadas Científicas”. Esta ação visa a apoiar a realização de Olimpíadas Científicas voltadas para a melhoria da educação básica, bem como identificar e estimular jovens talentos para carreiras científico-tecnológicas.

Serão investidos também R$ 947.200,00 por meio do edital Fapitec/Seduc 08/2021, cujo  objetivo é apoiar a realização de Feiras de Ciências Escolares para promover a formação em nível de Pré-Iniciação Científica, visando ao desenvolvimento acadêmico de estudantes da rede pública de ensino do Estado de Sergipe; e realização da Feira Científica Estadual, cujo objetivo é incentivar a produção de experimentos e estimular o desenvolvimento da criatividade e da capacidade inventiva, enriquecendo os estudantes no despertar de vocações, além de incentivar o uso de pesquisas nas escolas públicas do Estado de Sergipe.

Confira o edital Fapitec/Seduc 09/2021

Tecnologia apoiada pelo Governo auxiliará na mobilidade e na segurança pública

Empresa foi contemplada pelo Programa de Apoio à Inovação em Empresas Brasileiras (Tecnova II), promovido pelo Governo do Estado e executado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica (Fapitec/Se)

A imagem ilustrativa, possui um celular destacado com a logomarca do Projeto Ciclope, que foi descrito no texto. Ao fundo tem um carro branco desfocado.

Com o objetivo de auxiliar áreas como a mobilidade urbana e a segurança pública, por meio da análise de imagens e com base em Inteligência Artificial, a empresa sergipana BK Telecomunicações foi uma das contempladas pelo Programa de Apoio à Inovação em Empresas Brasileiras (Tecnova II), promovido pelo Governo do Estado e executado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica (Fapitec/Se).

A proposta submetida no edital chama-se ‘Projeto Ciclope’ e surgiu da ideia de maior aproveitamento da capacidade do data center da empresa, como forma de resolver alguns problemas identificados em visitas aos clientes, como explica o coordenador do projeto, Welliton Sá. “Como atendemos a comunicação de dados de vários setores, vimos que existia uma deficiência muito grande de soluções tecnológicas em áreas como mobilidade e segurança pública. O tratamento analítico de imagens é bastante limitado, caro e com tecnologias de fora do país”, explica.

Segundo Welliton Sá os softwares que existem em uso são desenvolvidos para as demandas do mercado externo, e algumas necessidades do Brasil não são atendidas. “Analisamos essas necessidades e quando conversei com a minha equipe de pesquisa e desenvolvimento surgiu a ideia do Projeto Ciclope”, completa. 

O propósito do projeto é fazer com que o Estado deixe de ser importador e passe a ser exportador de tecnologia nessa área. “Essa tecnologia é pouco explorada aqui no Brasil, pois geralmente todo o processamento é feito fora do país, por empresas estrangeiras que usam plataformas fechadas, similares a uma “caixa preta”. Nosso software é auditável, código aberto e o processamento é todo local. Estamos investindo na construção de um data center de alta capacidade, eficiência e com o que há de melhor na computação científica, exatamente para fazer esse processamento com o software e o hardware dentro do Estado, e a partir disso a gente passar a exportar essa tecnologia para a região”, reforça.

Aplicabilidade

Na área da segurança pública, o Projeto Ciclope se diferencia oferecendo uma tecnologia que pode ajudar além da identificação das placas dos carros, como fazem alguns softwares existentes atualmente. A proposta oferece a checagem se algum carro é clonado ou não, conseguindo ter uma imagem de todo o veículo e da avenida. No estágio atual de desenvolvimento já é possível identificar a cor do veículo, o modelo e o fabricante, e isso permite fazer uma checagem em uma base de dados e confirmar se é uma placa clonada, além de facilitar uma possível abordagem policial, pois também é possível identificar os ocupantes do veículo. 

Já na mobilidade urbana, a solução apresentada é um sistema de coleta de dados e processamento de informações para auxiliar na tomada de decisões e planejamento eficiente da mobilidade urbana. 

No momento, o projeto está na segunda fase de testes, onde são realizadas verificações em escala, processando várias imagens em paralelismo e aprendizagem de máquinas. Em seguida, devem ser feitas as primeiras provas de conceito com os clientes, o que deve acontecer até o início de 2022.

Welliton Sá informa que o incentivo do Governo foi importante para consolidação do projeto, pois, através dele, está sendo possível acelerar o processo, contratando mais pessoas e entregando mais do que estava previsto no cronograma. “Com a verba que a gente tinha para esse projeto, passaríamos o dobro do tempo para colocá-lo em prática. Porém, com os recursos do Tecnova II, reduzimos pela metade o tempo para a entrega e exploração comercial. Isso na tecnologia é fundamental, pois as soluções evoluem muito rápido e quem conseguir entregar primeiro os produtos têm maiores chances de sucesso. Com o produto desenvolvido, vamos ampliar nossa área de atuação e carteira de clientes. O pioneirismo na região, auxiliado pelos incentivos do Governo do Estado através do Tecnova II, serão revertidos em geração de empregos e aumento de arrecadação”, finaliza o coordenador do projeto, Welliton Sá.

Para o diretor da Fapitec, Ronaldo Guimarães, o Projeto Ciclope tem grandes diferenciais, e mostra o quanto a contribuição do Tecnova II está sendo importante para as empresas contempladas. “Este é o nosso objetivo. Abrir oportunidades, a partir dos nossos editais, para as empresas sergipanas, sempre fomentando a inovação em diversas áreas”, finaliza.

Parceiros

Última atualização: 13 de agosto de 2021 09:25.

Pular para o conteúdo